O Mistério Do Teletransporte

17 Feb 2018 20:21
Tags

Back to list of posts

is?WUhFNHpD0r83XHoyA0FfsOaETzEHEuusXcmOAiDpWzI&height=214 No ano passado um físico austríaco conseguiu fazer um fóton falar com outro a distância e comprovou que o teletransporte é possível. O truque foi utilizar um misterioso instrumento - chamado de entrelaçamento - que liga partículas de luminosidade. Empreenda aqui esse enigma, que tira o sono dos cientistas. Você com certeza já enfrentou uma espera interminável num aeroporto e sentiu desejo de sumir dali e reaparecer no local para onde pretende encaminhar-se. Entretanto não desanime. O teletransporte já obtido por Zeilinger e Martini é uma assombrosa proeza.Em poucas expressões, o que eles conseguiram foi transferir a inclinação de um fóton, a partícula subatômica de luz, para outro situado a alguns metros do primeiro. Foi mais ou menos como transportar a rotação de um pião pra outro pião no quarto ao lado sem que eles se tocassem.É bizarro, entretanto não chega a ser complicado. Para começar, um fóton é produzido por uma lâmpada fraca (acesse no infográfico ao lado). Em seguida, a partícula é jogada contra um cristal que a divide ao meio, montando dois fótons gêmeos. E por aqui entra o mistério do entrelaçamento. Por terem sido criadas ao mesmo tempo, alguma potência enigmática faz com que as partículas fiquem ligadas eternamente por uma lei inflexível: se uma deita para a esquerda, a outra no mesmo instante tomba pra direita e vice-versa.A partir daí tudo fica fácil. Mesmo se as partículas estiverem separadas por milhares de quilômetros, quando se aplica certa energia a uma delas, esta se inclina em uma direção e a outra, automatica e instantaneamente, cai pro lado inverso. Quer dizer: a inclinação viaja, é teletransportada de um fóton para outro. Enchimento para penteado (tipo Amy Winehouse dos anos sessenta) 04 "Jogo ao Vivo" Novembro de 1996 41 quinze "Dança da Cerquinha" 27 de agosto de 2014 226 Nova política de bloqueio Rosimar falou: Dez/09/12 ás 23:Trinta De olho pela segurançaNinguém sabe esclarecer como isto ocorre. Contudo acontece. "De algum jeito, revirar em uma partícula perturba a outra", admite o físico experimental Paulo Henrique Souto Ribeiro, que procura o conteúdo na Escola Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Imagine que esse cachorro é um fóton, um átomo de claridade. É inexplicável. Átomos de claridade desenvolvidos ao mesmo tempo comunicam-se de forma intrigante.Quando você mexe em um deles nesse lugar, o irmão gêmeo responde lá retirado. E ninguém entende como isso ocorre. Pra conquistar teletransportar a mancha do cachorro-fóton da página anterior para o da página 61, Zeilinger precisou afirmar certas condições. Em primeiro espaço, os shar-peis têm que ser gêmeos, para ficarem eternamente ligados. Em segundo lugar, eles não conseguem ter manchas ao nascer.Elas só irão mostrar-se no momento em que o pesquisador mexer com um dos cachorros. Pra realizar a experiência, Zeilinger fica com um cão e manda o outro para um canil afastado. O entrelaçamento entre as partículas de claridade poderá ser usado como um código para se enviar mensagens perfeitas. Ou, assim, pra aprimorar o desempenho de novos tipos de micro computador.Mesmo não sendo entendido com toda clareza, o teletransporte precisará, nos próximos anos, tornar-se uma ferramenta de enorme utilidade em muitas inovações que neste instante estão sendo formadas em laboratórios do todo o mundo. O fundamento é que a rotação dos fótons - e outras propriedades, como a inclinação dessas partículas - podes ser usada como um código idêntico com o que se emprega nos computadores atuais. Basta convencionar que, se um fóton gira pra direita (como os ponteiros do relógio) isto ou melhor sim. Se ele rodopia pra esquerda, significa não.A partir daí, não é dificultoso idealizar que, com um enorme número de fótons, fornece para digitar mensagens de cada tipo. Logo, é só teletransportar as rotações entre fótons distantes e estará montado um meio de comunicação de rapidez e precisão impressionantes. A enorme vantagem nesse sistema é que ele será imune a erros de transmissão por causa de, ao longo do teletransporte, as rotações não sofrem interferência, como as que ocorrem no rádio, na televisão e no telefone. Outra tecnologia promissora são os pcs quânticos, nos quais os transístores vão se tornar quase tão menores quanto átomos (que são dez milhões de vezes pequenos que 1 milímetro).Máquinas nesse tipo executam cálculos a uma velocidade incrivelmente superior do que as existentes. Elas não surgiram ainda, no entanto neste instante há protótipos experimentais sendo testados em incalculáveis universidades dos Estados unidos e da Europa. Com a ajuda do teletransporte, esses aparelhos poderão tornar-se ainda mais eficazes, acredita o especialista Charles Bennet, da IBM, que, em 1992, lançou as bases teóricas da locomoção instantânea.

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License